CASO COVAXIN: A “BOMBA” QUE VIROU “TRAQUE” E ENTERROU DE VEZ A CPI DA PALHAÇADA

0
2911
É incrível a semelhança de Randolfe, Renan e Aziz com as figuras dos Três Patetas, Moe, Larry e Curly

CASO COVAXIN: A “BOMBA” QUE VIROU “TRAQUE” E ENTERROU DE VEZ A CPI DA PALHAÇADA

Dar credibilidade para um notório picareta como Luís Miranda com base numa fatura incorreta e que foi corrigida dias depois, levada ao Presidente como uma “bomba” mas que ficou claro que não passa de um “traque”, é a desmoralização final da CPI que já era um circo desde o começo.

Um documento cujo “erro gravíssimo” na primeira versão seria conter a discriminação de 300 mil ampolas contendo 10 doses da Covaxin cada e não 3 milhões de doses, o que é exatamente a mesma coisa e qualquer imbecil percebe, menos a oposição e sua mídia canalha sedenta de dinheiro federal.

E foi sobre essa questão ridícula de citar frascos e não de doses com volumes redundantes que criaram a fake news monumental de que haveria “superfaturamento de mil por cento”, coisa que qualquer idiota também é capaz de entender, menos os cínicos inquisidores da CPI e suas hienas.

O primeiro “invoice” passado pelo irmão ao deputado e levado ao Presidente como “prova de corrupção” foi corrigido duas vezes, como de praxe, até ficar conforme o contrato com a Bharat BioTech, cujo preço unitário é o mesmo para o resto do mundo e até abaixo de outras marcas.

O próprio irmão do deputado reconheceu ao falar na CPI que teve conhecimento de que as notas foram corrigidas dias depois e passaram pelas suas mãos, mas que não informou ao irmão (que por isso não atualizou a situação ao Presidente), mentira flagrante pela qual deveria sair de lá preso, ao invés de “condecorado” como a senadora boboca propôs.

MIRANDA, A PÁ DE CAL NA CPI

Tudo isso se já não bastasse ter na presidência o senador Omar Aziz, cuja mulher e irmãos foram presos por desvios milionários de verbas junto com a quadrilha que estava saqueando a Secretaria da Saúde do Amazonas, além de anteriormente envolvido e acusado em escândalo de pedofilia.

Não bastasse ter na relatoria um dos mais notórios corruptos da política nacional como Renan CaNAlheiros, que só no STF responde a 18 processos que não andam apenas porque lá tem cúmplices e não juízes, além de constar em todas as listas de roubalheiras nas últimas décadas.

Não bastasse ter como vice-presidente o senadorzinho de bosta Randolfe Rodrigues, aquele amapaense alucinado que derrubou a isenção do DPVAT e recorre ao STF por tudo e qualquer coisa, cuja histeria surtada contra Bolsonaro só pode ser explicada por um caso de amor não correspondido.

Não bastasse ter como membro o senador petista Umberto Costa, conhecido como “Drácula” nas listas de propinas da Odebrecht, além de envolvido em todas maracutaias do tempo de Lula e Dilma, pelo que chegou a ganhar capa da Veja como um dos maiores ladrões daqueles tempos nefastos.

Entre outros senadores de passado sujo, como aquele baiano burro, senil e surdo que teve sua clínica denunciada por superfaturar o SUS, outros desqualificados como aquela fulana semianalfabeta maranhense, o tresloucado capixaba com pinta de psicopata, a velhota gagá potiguar e outras figuras lastimáveis que rebaixam o Senado da República.

Uma CPI de cartas marcadas que se recusa a ouvir cientistas consagrados, destrata médicos com milhares de pacientes tratados precocemente com sucesso, mas que dá trela e incensa uma “médica” desequilibrada cuja única carreira é de cantora fracassada, outra com CRM cassado, uma bióloga repelente comentarista da Globolixo, todas elas que nunca trataram um único paciente de Covid, além de “espeSocialistas” fulaninhos em busca de fama fácil em cima de meio milhão de cadáveres.

Para completar, o STF desobriga o comparecimento dos governadores responsáveis por desvios multibilionários das verbas enviadas pelo Governo Federal para combate à pandemia e verdadeiros assassinos em massa, acabando de vez com algum resquício de credibilidade nessa palhaçada que, ao contrário, só agrega mais solidariedade ao Presidente.

OBRIGADO, LUÍS MIRANDA

Mesmo assim, ainda resta algo de positivo nesse estrondoso e estapafúrdio factóide dos irmãos Miranda, trazendo a público o nome do deputado Ricardo Barros que estaria por trás de maracutaias no Ministerio da Saúde, do qual foi titular no governo passado e aliado dos governos do PT.

Refém e submetido a ter o fisiológico Centrão na base parlamentar, sob pena de voltar a ser travado no Congresso, Bolsonaro agora tem a oportunidade de ver a Polícia Federal entrar no caso, sem que precise se indispor com essa gangue corrupta, afinal não foi ele quem denunciou.

Quando muito, disse aos Miranda que já imaginava quem estava fazendo lobby pela compra da Covaxin a toque de caixa, mas em “off”, de forma reservada e confidencial, acreditando que o deputado não era tão fofoqueiro, dedo-duro e traidor como acabou se revelando.

Isso explica e justifica a necessidade de Miranda andar com proteção e colete a prova de balas, pois sabe que mexeu num ninho de bandidos perigosos. Depois dessa vasta cagada que fez, sua situação perante os colegas ficou insustentável, piorando ao extremo a condição anterior que já era de “leproso político” do qual todos queriam distância desde que suas arapucas financeiras foram denunciadas em rede nacional.

Mas só por ter puxado o fio dessa meada, mesmo às avessas, possibilitando que Bolsonaro se livre de mais uma horda lobos famintos que cercam seu governo, sedentos em tentar desviar dinheiro publico, Miranda merece ser agradecido, mesmo sendo um grande porcaria que não vale nem a comida que come, quanto mais a m. que defeca!

(Felipe Porto – jornalista e escritor)

Caso queira compartilhar, copie e cole o texto a seguir, as aspas são para o título aparecer em negrito no WhatsApp:

*CASO COVAXIN: A “BOMBA” QUE VIROU “TRAQUE” E ENTERROU DE VEZ A CPI DA PALHAÇADA* – Na falta de um aliado de Bolsonaro com “culhões” para tocar fogo no circo da CPI, colocando aqueles palhaços e vagabundos em seus devidos lugares, Luís Miranda acabou servindo como cavalo de Tróia para jogar a isca falsa que os opositores e sua mídia canalha engoliram com vara e tudo, acreditando e distorcendo uma fatura que logo em seguida foi corrigida duas vezes conforme o contrato com a Bharat BioTech e inclusive já foi aprovada pelo TCU. A CPI que desde o começo se revelou uma palhaçada para tentar criminalizar Bolsonaro, agora recebeu a pá de terra que faltava para ser sepultada e virou motivo de piadas! Confira: http://www.felipeporto.com.br/new/?p=2035

Comente aqui e no Facebook:

DEIXE UMA RESPOSTA

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.